O que gera uma boa experiência de usuário na nuvem?

Quando falamos em nuvem, provavelmente duas coisas vêm à nossa mente. A primeira é a disponibilidade de documentos, dados, e aplicações independente da nossa localização e a segunda é a disponibilidade desses mesmos elementos em múltiplas plataformas. Essa é a mentalidade, por exemplo, empregada por empresas como a Microsoft, que desde o lançamento do Windows 10 tem se preocupado com a portabilidade dos seus programas, sendo o Office o exemplo principal.

E é exatamente isso o que se espera da nuvem: compartilhamento em devices e plataforma. É o que torna a nuvem um dos elementos mais importantes do momento, sendo procurada por todos os setores do mercado. Porém, uma boa experiência de usuário na nuvem é mais do que disponibilidade: ela tem a ver com usabilidade.

No artigo de hoje, vou demonstrar como a computação em nuvem, quando bem utilizada, pode se tornar um grande exemplo de user experience e quais são os passos necessários para prover essa experiência para o consumidor.

Definindo UX na nuvem

De maneira simples, cloud computing acontece quando uma organização aluga servidores em vez de possuir os seus próprios. A popularidade da cloud não é banal. É que essa é uma solução que oferece muitos recursos que tornam mais fácil para as empresas lidar com dados e aplicativos. Um bom número de servidores pode ser dedicado a tarefas específicas. Isso permite que as empresas melhorem a escalabilidade, ou seja, lidando com mais número de usuários. Isso também resulta no aumento da velocidade de prestação de serviço, a um custo muito reduzido.

Como estamos falando prestação de serviço, de “entrega”, como se diz, também estamos falando de uso de aplicativos e dados dentro do contexto da cloud. Isso significa que recursos de UX passaram a desempenhar um papel crucial no aumento do no âmbito do trabalho. Quem não gosta do recurso de salvamento automático de um aplicativo inteiramente baseado na nuvem como o Google Docs? Juntos, UX e computação em nuvem fornecem valor ao economizar tempo e recursos e também aumentar o segmento de clientes.

Porém, se você ainda está frio em relação à disponibilidade desse serviço no seu contexto e tem limitado o uso da nuvem apenas como uma função de armazenamento de dados, sem torná-la mais funcional, eu vou mostrar como você operacionalizar esse lado da nuvem.

Os elementos da aprimoração de UX na nuvem

Para implementar a UX no desenvolvimento da nuvem com sucesso, há muitos aspectos a serem considerados que podem ser úteis. O que é importante ter em mente ao implementar UX são os seus quatro pilares de ouro:

  • Ouça as necessidades de quem vai usar a nuvem. Com isso, quero dizer que é preciso entender como o usuário interage com o aplicativo e quais serão os principais recursos que ele gostaria de ter no aplicativo. Tentar entender as expectativas do usuário será útil para projetar a interface do usuário do aplicativo.
  • Debata ideias. Não abra mão de sondar várias propostas antes de finalizar como será o design da UX na nuvem. Mais que funcionalidade, também se espera da nuvem disrupção e inovação, e é isso que fará com que ela supere as expectativas criadas.
  • Saiba como será o fluxo de operações (e faça com que ele seja sereno). Conceber um fluxo de usuário suave para o aplicativo é vital na UX. Ter um design simples e fácil de usar é muito importante. Estabelecer uma estrutura limpa e eficiente para garantir que o aplicativo seja rápido e otimizado também é importante.
  • Não esqueça da segurança. Garantir a segurança adequada para os dados que o aplicativo coleta é crucial. A satisfação do usuário aumenta se ele souber que seus dados privados estão seguros e protegidos.

A nuvem está aí com várias funcionalidades prontas para facilitar a sua vida. Não abra mão de aproveitá-las dentro da sua organização.

 

Open chat
Fale com o especialista